segunda-feira, 1 de agosto de 2016

«Armindo Rodrigues, um ilustre ruivanense»



Ilustre, é a pessoa que se distingue por qualidades dignas de louvor.
Tanto pode ser aquele que ganhou fama em diversas áreas como o desporto, as artes ou a politica, como aquele que se destacou pelos dotes pessoais, humanos, sem mácula que se lhe aponte.
E Ruivães, teve os seus ilustres cidadãos, e eu quero homenagear aqui a figura de um grande ruivanense infelizmente já desaparecido. Refiro-me ao Armindo Rodrigues, aqui nascido e criado, rodeado por um ambiente familiar que lhe foi um pouco adverso, só terminando essa fase má da sua vida quando aos doze anos foi levado para a capital. Partimos ao mesmo tempo, pois ele era da minha idade, e em Lisboa convivemos até à idade adulta, tendo oportunidade de constatar a transformação que lhe aconteceu, para melhor, claro.
Era com frequência que recordávamos as nossas brincadeiras em Ruivães, a escola que frequentamos juntos, e apesar do que ali passou não guardava rancor, e prometia que um dia haveria de voltar a Ruivães para matar saudades.
Em Lisboa, nas oficinas de um dos maiores armazéns de lanifícios (A Lanalgo), aprendeu o oficio do pai (alfaiate), e a partir de certa altura deu-se o nosso desencontro, vindo a saber que partiu para os Estados Unidos da América.
Muitos anos depois, viemos a reencontrar-nos em Ruivães, e contamos a nossa vida um ao outro, sem outra intenção que não fosse dessa forma ficarmos conhecedores do que vivemos no espaço de tempo em que não nos vimos.
No principio a vida dele foi difícil, chegou à América com meia dúzia de dólares e trabalhou no que aparecesse, chegando mesmo a conduzir um Táxi, só mais tarde em Filadélfia viria a sorte a sorrir-lhe, trabalhando então sim na arte que aprendeu.
Criou fortuna, teve mais que um casamento, deu estabilidade aos filhos, e numa fase já mais descansada da sua vida, passou a vir com mais frequência a Ruivães, onde proporcionou melhor viver ao pai aqui a residir, o extrovertido Sr. Luís do Guarda (ou o Luisinho como era conhecido), e claro, o seu amor pela terra como é apanágio dos emigrantes, levou-o a construir uma estupenda casa onde vinha passar parte das suas férias.
Em dada altura, convidou-me para o baptizado do filho Armindo Jr., que aconteceu em Portugal, na igreja da Parede, seguido de um lauto banquete no Forte de Oeiras, trazendo uma grande comitiva dos USA.
Fez-me também o convite para o visitar em Filadélfia, proporcionava-me tudo, mas declinei pelo medo que minha esposa tem de andar de avião.
Era mesmo o que se chama um homem bom. Para a festa, anualmente, não olhava a meios contribuindo com gorda nota, sentindo o pessoal que tal benemérito merecia uma homenagem, e assim comprados uns cabritos fez-se uma farra que durou até às tantas.
Não menosprezou a família. Os irmãos e mais familiares obtiveram dele a atenção devida.
A abastança não o embebedou, era a bondade em pessoa, humano quanto baste, e cultivava a amizade como o bem mais precioso da sua vida, mais que o ouro como ele dizia.
Um dia, foi-lhe diagnosticada uma doença grave, os médicos deram-lhe seis meses de vida, durou um pouco mais, mas o seu grande desejo era regressar à terra que o viu nascer, e assim foi, encontra-se sepultado no cemitério de Ruivães onde quando lá vou não deixo de o confortar com as minhas orações, porque sei que um dia, lá em cima, falaremos o que ficou por dizer cá na terra.
Paz à sua alma.
Manuel Joaquim F. Barros
2016-07-28





2 comentários:

Anônimo disse...

um ruivanense dos que não esqueceram a terra
infelizmente deixou-nos cedo demais
paulo miranda

Anônimo disse...

Tive a sorte de conhecer o Sr. Armindo, a sua esposa e o filho Armindinho, então catraio. Passava longas horas a falar da sua infância em Ruivães, sempre com uma alegria nos olhos, de quem sabe que foi essa infância que moldou o seu carácter e forma de estar.
Ana Miranda Duarte