Agosto 2012, por Amadeu Costa




(carregar nas fotografias para aumentar)


Agosto 2012, por Amadeu Costa



(carregar na fotografia para aumentar)

Agosto 2012, por Amadeu Costa


(carregar na fotografia para aumentar)


Agosto 2012, por Amadeu Costa




Recordações de um Verão passado



Pardinho 2012




Recordações de um Verão passado



Carreira das 5





Esta fotografia é da carreira antiga da Rodoviária Nacional, das que passavam em Ruivães nos anos 80 do século passado. A fotografia não foi tirada em Ruivães nem tão pouco é da “Carreira Braga-Chaves” que percorria a Estrada Nacional 103, foi obtida noutro sítio de Portugal e descoberta há dias num qualquer sítio da internet. (aqui)
Resolvi partilhar esta fotografia aqui porque me lembro bem destas carreiras passarem em Ruivães, dos tempos em que era preciso haver desdobramento ..., não me lembro no entanto se no início dos anos 90 ainda fui em algum destes modelos até Braga ou se seriam mais modernas.
Há uns tempos que queria encontrar fotografias das carreiras antigas que passavam por Ruivães, mas até agora essa busca não tem dado frutos. Se por acaso tiverem alguma fotografia dessas antigas, bilhetes, etc., enviem para nós que teremos todo o gosto em publicar aqui essas memórias.

Paulo Miranda

Pardinho 2012



Torneio de Truco em Zebral (15 Dez 2012)




Torneio de Sueca em Zebral (24 Nov 2012)



Recordações de um Verão passado




Memórias de um marinheiro




AS COISAS ACONTECEM

Em Zebral aconteceu
Um caso de admiração,
Vejam o que se passou
Por causa de uma televisão.

Alguém passou e ouviu
A televisão a tocar,
Mas a porta estava fechada
E não podia entrar.

À porta começou a bater
A ver se alguém falava,
Mas como não estava ninguém
Só a televisão tocava.

Mas pensando o contrário
Alguém foi avisar,
Que estava alguém lá dentro 
E a televisão a tocar.

Então vem outra pessoa
Com a chave da porta na mão, 
Mas não foi capaz de a abrir
Só ouvia a televisão.

Este também desistiu
Outro ele foi chamar,
Mas como o caso era estranho
Tiveram que o acompanhar.

Ao todo contavam-se sete
Para a porta tentar abrir, 
Nenhum deles foi capaz
Olhai que não dá para rir.

Abre a porta, abre a porta
Já toda a gente gritava,
Como ninguém respondia 
Só a televisão falava.

Mas com medo ou sem medo
Alguém do grupo se enervou,
Pensando num arranca-pregos
Olhai! A porta arrombou.

Então entrou para dentro
Com o arranca-pregos no ar,
Mas outro com um engaço
Também o quis acompanhar.

Revistaram a casa toda
Para apanhar o ladrão,
Mas como não havia ninguém
Só viram a televisão.

Não digo nome nenhum
Mas o caso é verdadeiro,
A todos peço desculpa
Mas aconteceu no rodeiro.


Retirado do livro "Memórias de um marinheiro - Vol. 1" de José Ribeiro da Nova.

Pardinho 2012




Almoço Convívio de Ruivanenses a residir em Lisboa


Amigos Ruivanenses, estamos todos de parabéns! …

O número de amigos que estiveram no almoço convívio, ultrapassou largamente as expectativas previstas para o evento. Deu para elaborar um unido ramalhete multicolorido, com tonalidades representativas, que iam desde os 16 meses de idade, até aos 82 anos como a fotografia de família mostra.


Realizou-se como anteriormente anunciado, no dia 20 de outubro, em Lisboa, no salão principal do Clube Ferroviário de Portugal, um almoço convívio onde estiveram presentes gentes da nossa freguesia, que muito a honrou! Foi um encontro que nos proporcionou dar abraços e distribuir afectos, evidenciando, o quão forte são os elos de carinho e saudade, que unem todos aqueles que um dia, tiveram o condão de beber a água da Cabreira, e ou tiveram o privilégio de se banhar nos afluentes do Cávado, destacando-se aqui, os poços do curral do tôco, da ponte do meio, do traves, do maria pereira e de outros pequenos pocecos da freguesia.

Orgulha-nos a nossa identidade… somos Ruivanenses, respeitamos e amamos as nossas raízes, lembrando com amor, dor e saudade, a nossa terra e os nossos antepassados.

Para registo deste encontro, foi editado o postal/lembrança, distribuído a todos os presentes e que aqui queremos partilhar com todos os Ruivanenses






O almoço volante servido pela Sul Festas Lda., esteve à altura das nossas pretensões!

Enquanto decorria o repasto, houve um pequeno espaço de silêncio, não porque se tivesse cantado o fado, mas porque fomos presenteados por uma dupla de dançarinos ferroviários que nos deliciaram com 4 brilhantes apontamentos tangueiros.

No final, subimos ao terraço para fazer as fotos de família e desfrutar da espectacular vista sobre o Tejo. Neste espaço, aberto ao público, pode-se tomar um copo ao final do dia, dançar até de madrugada ou desfrutar de um brunch ao fim-de-semana.

A todos, o nosso agradecimento por terem respondido à chamada… queremos que seja interpretado como um genuíno reconhecimento à nossa grande comunidade residente em Lisboa. Nunca é de mais, assim o entendemos, realçar a qualidade do capital humano dos Ruivanenses que contribuíram para o êxito deste encontro!

Viva Ruivães e as suas Gentes…

Terá ficado bem vincada a satisfação pelo reencontro, assim como a vontade de o repetir, para o ano haverá mais e por ventura melhor!

Os organizadores: Paulo Miranda & Guilherme Gonçalves

Fotos: Paulo Miranda
Texto: Guilherme Gonçalves


outubro de 2012


Recordações de um Verão passado




Pardinho 2012



Recordações de um Verão passado




Pardinho 2012



Almoço Convívio de ruivanenses em Lisboa




(carregar nas fotografias para melhor visualização)


Quis um grupo de perto de 60 ruivanenses a residir em Lisboa encontrar-se este sábado dia 20 de Outubro de 2012 para um almoço-convívio. Muitos mais não puderam estar presentes, mas ficou a certeza de que para uma próxima oportunidade – que vai mesmo acontecer! – iremos ser mais.
O convívio decorreu no salão principal do Clube Ferroviário de Portugal em Santa Apolónia, que disponibilizou gratuitamente as instalações graças ao Guilherme Gonçalves da Casa do Brás de Espindo que pertence à direcção. Aliás, coube ao Guilherme a organização do almoço, cuja ementa foi bastante apreciada, acompanhada de uma enorme dose de saudade da nossa freguesia de Ruivães.  

Paulo Miranda