Moinho em Zebral



Há anos que queria voltar a ver um moinho do nosso rio em funcionamento e se possível registar esse momento em fotografia e vídeo. Conhecedor da totalidade dos moinhos do nosso rio (a menos que algum me tenha escapado em alguma escarpa ou no meio de silvas), sabia que isso só seria possível em Zebral ou Espindo, já que os de cá de baixo estão quase todos alagados, e os do fundo de Vale estão praticamente inacessíveis nesta altura do ano. Em conversa com a minha prima Celeste no mês de Agosto do ano passado, perguntei-lhe como seria possível isso e ela encarregou-se de tratar do assunto. O dia escolhido foi no sábado, 2 de Março, e o moinho foi o da casa da Canela, sendo que quem nos aguardava era a D. Ana do “Jandias”. Este texto pretende ser um pequeno relato dessa visita que nos proporcionou uma tarde bem passada.


Chegados ao lugar da Canela, mais propriamente a casa da D. Ana, ela mandou-nos logo entrar, dizendo que por pouco ainda a apanhávamos a tirar o pão do forno. Mandou-nos entrar na divisão onde tem o forno e lá estava ao lado a maceira com o pão quentinho e bonito em cima.


Saídos dali, levou-nos para a divisão onde tem o seu fumeiro e lá estavam as chouriças e os salpicões entrelaçados na carqueja.


É bom de ver que certas pessoas ainda conseguem manter estas tradições do pão e do fumeiro e por muito que as possam ir adaptando aos novos tempos, mantêm viva uma tradição e podem assim transmitir os ensinamentos que eram a base da sobrevivência dos seus antepassados durante séculos e séculos.


Em cima de um muro já estava um saco com meia rasa de milho para moer. Já tinha sido bom até aqui, íamos agora para o moinho.


Saídos dali entramos no jipe e fomos em direcção aos campos já na encosta por cima do rio. Parado o jipe porque o caminho estreitava, saímos e encontramos a D. Clementina, a quem a D. Ana disse para vir connosco.


Descemos pelo caminho até ao rio por meio de uma mata muito bonita de carvalhos e uma paisagem maravilhosa. Quando começamos a ver o rio reconheci logo o moinho. Já aqui tinha escrito que se trata de um dos moinhos mais bonitos da nossa freguesia, ia ter oportunidade agora de o fotografar por dentro e, a funcionar!


Ao nos aproximarmos a D. Clementina tornou a água para o moinho e começou logo a ouvir-se ela a cair por dentro do moinho.


Entramos. A mó já andava e, enquanto a D. Ana regulava a altura da mó e deitava o milho na tremonha, a Celeste deu-nos a indicação das partes que constituem o moinho. A saber


Tremonha – local onde se coloca o milho que será moído;


Adelha – local por onde cai o milho;


– pedra que tritura o milho;


Tarabelo – pau que está atravessado por cima da mó;


Pouso – local onde a mó está assente;


Rodízio – local onde a água bate e que faz trabalhar o moinho.


Colocou-se o milho na tremonha, vimo-lo cair pela adelha no buraco da mó e passado pouco tempo começou a sair a farinha entre a mó e o pouso, para um pano colocado no chão.


Como o objectivo era apenas ver o funcionamento do engenho e não propriamente produzir farinha da melhor qualidade, levantou-se a mó para ser mais rápido e fazer farelo para deitar às galinhas.


Torneando o moinho cá fora, vimos a água que saía em força do rodízio para cima do rio.


Ficamos ali mais um bocado até ter um saquito cheio e regressamos por outro caminho no meio de uma mata de carvalhos no fundo do lugar de Zebral. Aparte o objectivo principal, sem dúvida que este passeio valeu também pela beleza paisagística do local.


Regressados ao lugar, os agradecimentos – que agora aqui também se reproduzem – à D. Ana do “Jandias”, à D. Clementina e à minha prima Celeste Fraga, por nos terem proporcionado uma tarde muito bem passada.


Mais uma vez, um muito obrigado!


São experiencias destas que devem ser preservadas e passadas às novas gerações, quiçá aproveitar isso para atrair algum turismo e desenvolvimento, contrariando assim a desertificação das nossas aldeias, fica aqui a ideia.


Paulo Miranda
Março 2013


Aqui fica o álbum completo das fotografias:



Largo do Pelourinho e Picota (início)



(carregar na fotografia para melhor visualização)



Porta de forno




Pão acabado de cozer






Fumeiro em Zebral





s/t




Milho para moer ...




A caminho do moinho




Moinho em Zebral - primeira vista




Ver mais sobre este moinho, aqui, aqui e aqui.

Tornar água para o moinho



Moinho em funcionamento




Moinho: componentes




Moinho a moer









Analisando a moagem




Rodízio em funcionamento






Zebral - fundo do lugar junto ao rio





Gentes de Zebral




Da esquerda para a direita: D. Clementina, Celeste Fraga (do lugar de Vale) e D. Ana do "Jandias".

s/t




Obras no largo (30 Nov) II






«Requalificação do Largo de Ruivães»



No mês de julho do corrente ano, iniciaram-se as obras de requalificação no Largo de Ruivães. Estas obras são fruto duma parceria da Câmara Municipal e da EDP e como qualquer obra pública que se preze, já tem a sua derrapagem financeira.


Muitas têm sido as opiniões, uns não se manifestam e acompanham com serenidade o decorrer das obra esperando pela sua conclusão, outros, de espíritos mais desassossegados insurgem-se com tantas alterações. 
A verdade é que as obras têm de continuar e aguardamos ansiosamente pelo seu terminus, pois é com dificuldade que se utiliza aquele espaço que acaba por ser o centro cívico de Ruivães, onde as pessoas se encontram, onde se centra o comércio, a igreja etc. 
O projeto da obra não é conhecido e não foi debatido pelos ruivanenses, e se calhar não teria de o ser, mas realmente as obras afiguram-se trazer muitas alterações na configuração do Largo a que estavamos habituados. Sabemos que o trânsito no Largo ficará de sentido único, provavelmente com menos lugares de estacionamento do que antes mas com espaçosos passeios para caminhar tranquilamente! Será que se justifica a aplicação de um conceito tão moderno de arquitetura num local que encerra tanta história? 
Era bom que no verão de 2014 as obras no Largo de Ruivães estivessem concluídas para que os ruivanenses que estão por terras de Portugal e do mundo pudessem usufruir da sua terra natal plenamente. 

C.
2013-11-29


Retirado d' O Jornal de Vieira nº 958, de 1 de Dezembro de 2013. 

Tarde de sueca (esta)




Obras no largo (30 Nov)







Alvoradas da Cabreira 2003



(carregar na fotografia para maior e melhor visualização)