pontos de interesse

Na parte final de cada artigo encontrará os temas a que o mesmo diz respeito bem como o lugar da freguesia correspondente. Clicando numa dessas ligações, abrirá uma página com os últimos artigos desse tema.
Nesta página estão, por ordem alfabética, algumas ligações/itens do património e pontos de interesse existentes na Freguesia de Ruivães. Foi adicionada uma pequena descrição a cada etiqueta para quem não estiver familiarizado com os temas. Em alguns casos incluímos a ligação a um artigo específico, por se entender como relevante.


alminhas ou nichos …

Aqueduto que permite a passagem da água da levada de Ruivães por cima da Estrada Nacional 103. Foi construído aquando da abertura da estrada, nos finais do século XIX. Ao seu redor foram sendo construídas habitações (desde a década de 80 do século passado), dando origem hoje a um lugar com o mesmo nome.
Uma das contrapartidas da antiga HICA – Hidreléctrica do Cávado (actual EDP) aquando da construção da Barragem de Salamonde no ano 1953. Fazia o atravessamento entre Frades e Cabril até 2005, ano em que foi inaugurada a Ponte dos Lagos (uma contrapartida pela obra Venda Nova II)
A Barragem de Salamonde entrou em funcionamento em 1953 e faz parte da bacia hidrográfica do Cávado.
Existem dois na freguesia de Ruivães: um na Botica e outro em Espindo.
Nesta rubrica tentamos mostrar a ruralidade das entradas de casas, quintas ou simples terrenos. Inevitavelmente, por vezes mostramos também a decadência/abandono de algumas dessas propriedades.
s. pedro em Zebral.
s. pedro (nova) em Zebral.
srª da conceicao em Ruivães.
srª da saude em Vale.
srª do amparo em Frades.
srª dos remedios na Botica (Honras).
stª isabel em Espindo.
As casas da floresta foram construídas pelos Serviços Florestais do Estado Português possivelmente na década de 20 do século passado. Actualmente são geridas pelo ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade. As casas da floresta existentes na freguesia são as seguintes: Devesa, Gândara e, Serradela.
Estruturas construídas no espaço público para abrigar as bandas de música nas festas e romarias. Existem três na freguesia: Botica, Espindo e Zebral.
Os cruzeiros são locais de culto
As eiras são espaços duros e planos onde se malhavam e peneiravam os cereais. As que temos catalogadas são maioritariamente de pedra mas também se malhava o milho em chão de terra. Algumas dessas de pedra estão revestidas actualmente de cimento. Muitas vezes estão situadas junto aos canastros, por economia de espaço e para que se arrumassem os cereais logo depois de malhados e secados.
As epígrafes são inscrições feitas nas padieiras das portas, maioritariamente com a data de construção (ou reconstrução) das casas. Muitas contêm a data apenas, mas outras há que são ornamentadas com figuras e motivos, principalmente religiosos. Na Botica existe uma epígrafe considerada indecifrável até pelo Núcleo de Arqueologia da Universidade do Minho.
Todas as escolas da freguesia estão encerradas para esse fim. Actualmente estão cedidas a associações da freguesia que as utilizam para cumprir o seu fim estatutário.
Construções de pedra e/ou madeira que têm como função, secar o milho grosso através das suas frinchas laterais e, ao mesmo tempo, impedir a destruição do milho pelos roedores, com a elevação do canastro. (ver este artigo)
São armadilhas de caça construídas na serra para matar os lobos que se acercavam das aldeias colocando em risco populações e animais. Existem quatro na Serra da Cabreira, três na cumeada formada por Cortegacinhas, Alto do Seixo, Pau da Bela e Trovão, entre as freguesias de Ruivães, Anjos, Vilarchão e Rossas; e um outro na Serradela que dá pelo nome de Fojo da Alagoa.
Até ao abastecimento de água domiciliário (que terá ficado concluído na década de 80 do século passado) era nestes fontanários construídos de pedra (e menos usual, em cimento) que as populações se abasteciam de água para levar para suas casas. Faziam-no com recurso a cântaros de água ou a um regador como este. Muitos destes fontanários têm a data de construção inscrita sendo comum a data de 1966 ou 1967, altura em que houve apoios do governo central para a construção de alguns.

A estrada Nacional 103 - ou estrada Braga-Chaves como lhe chamamos – foi construída nos finais do Século XIX. Existem ao longo dela várias fontes semelhantes a estas para dar de beber aos cavalos, os veículos de locomoção desses tempos. Mais sobre esta fonte, aqui. E sobre as deslocações a Braga, aqui.
A Igreja de Ruivães dedicada a São Martinho, do século XVIII, terá substituído a primitiva igreja de S. Martinho de Vilar de Vacas existente no local onde se encontram as ruínas de S. Cristóvão.
Apenas um largar de azeite catalogado na freguesia de Ruivães. Fica situado no “Traves”, junto à Ponte de Ruivães.
Gravuras rupestres existentes em Zebral, consideradas sítio de interesse público. Para ver as direcções para o local, aqui.
Construções de pedra que servem para transformar o milho em farinha, por acção das mós movimentadas pela água. Para ver pormenorizadamente a visita a um moinho, recomendamos este artigo da visita a um em Zebral a 2 de Março de 2013. Existem mais de 60 (sessenta) moinhos referenciados, maioritariamente localizados no rio, mas também os há na levada, como é o caso da Botica. 
Aerogeradores colocados no topo da Serra da Cabreira que visam a obtenção de energia através do vento. Na freguesia de Ruivães existem dois parques distintos, um no Talefe e outro no Cabeço da Vaca.
Foi o símbolo da municipalidade do concelho de Ruivães. Nele eram punidos e expostos os criminosos.
Ponte que atravessa o Rio Rabagão, nas imediações do lugar de Frades. É talvez o sítio de maior destaque na freguesia de Ruivães, pelo misticismo que as lendas associadas à sua construção bem como aos efeitos na gestação das Senhorinhas e Gervásios, bem como, para os não crentes, pela sua localização e construção fora do comum.
São inúmeras as referências a este local da nossa freguesia, muitas vezes erradamente citada como ficando exclusivamente no concelho de Montalegre (e não na divisão com Vieira do Minho como de facto acontece) ou como pertencendo ao Parque Nacional da Peneda-Gerês.
Foi palco de batalha nas Invasões Francesas (ponto de retirada da 2ª Invasao) e actualmente tem sido palco de teatros e outros carnavais.
Ponte que existia na Via Romana XVII da qual só restam vestígios junto à Estrada Nacional 103 no local com o mesmo nome, que actualmente transpõe o ribeiro com um simples aqueduto. Ver também as Gravuras da Mua ali ao lado.
Ponte construída em 1881 aquando da passagem da antiga Estrada Real 14 (actual Estrada Nacional 103.
Ponte construída em 1880 aquando da passagem da antiga Estrada Real 14 (actual Estrada Nacional 103.
Ponte que permite a passagem da Via Romana XVII sobre o Rio Saltadouro. Foi a ponte principal de Ruivães até finais do século XIX quando foi construída a Ponte de Ruivães (grande). Neste momento está em vias de classificação como Sítio de Interesse Público, juntamente com a Via Romana XVII.
Na estrada para Zebral junto à levada que vai para a Botica, Ruivães e Vale, e substitui outra mais antiga, uma centena de metros a jusante.
Ponte construída pelos Serviços Florestais (década de 50 do século XX) aquando da abertura do Estradão Florestal da Serradela e do Tôco até Zebral (e depois até Salto). Ver este artigo com uma panorâmica diferente desta ponte e do estradão.
Ponte existente em Espindo sobre a Ribeira de Chedas, num dos locais mais pitorescos da freguesia. Para ver o mapa desta(s) ponte(s), aqui
Ponte existente em Espindo sobre o Ribeiro do Tôco e que já foi assim.
Ponte construída pela H.I.C.A. – Hidroelectrica do Cávado para substituir uma outra que ficou submersa aquando da Barragem de Salamonde.
Ponte construída pela E.D.P. como contrapartida pelas obras da Venda Nova II. Foi inaugurada no ano 2005.
Pequenas pontes que atravessam ribeiros.
Existem alguns na freguesia com nome próprio, no entanto, não os temos individualizados (ainda).
Nasce entre as serras do Barroso e do Larouco, e, desagua no Rio Cávado junto entre o lugar de Frades e Sidrós (Vila Nova), freguesia de Ferral do concelho de Montalegre. Na freguesia de Ruivães passa pelo fundo dos lugares de Paradinha, Soutelos e Santa Leocádia. É muito conhecido pela ponte que o atravessa a cerca de 1 km da foz, a Ponte da Misarela.
        Nasce na Serra da Cabreira perto de Salto, passa por Campos e entra na freguesia de Ruivães em Zebral, um pouco acima da ponte. Atravessa depois a freguesia e desagua no Rio Cávado – Barragem de Salamonde, num local a que chamamos “Saltadouro”. Ao longo da sua extensão tem três designações diferentes: Rio da Laje, Rio da Peneda e, Rio Saltadouro.
        Os locais que destacamos e que temos catalogados são (a ordem é montante para jusante):
traves - o poço das "Traves", assim nomeado por ali ter existido uma ponte feita de traves de madeira, fica logo a montante da Ponte de Ruivães, visível da EN 103.  
Local implantado na elevação entre Ruivães e a Botica, S. Cristóvão é um povoado aberto ao que tudo indica com ocupação desde os Romanos. Devido às sepulturas que tem escavadas na rocha granítica é usualmente chamado de “Cemitério de S. Cristóvão”.
É a foz do rio Saltadouro, a zona onde ele desagua na barragem. Ver este artigo sobre as quedas de água na parte final do rio.
É na Serra da Cabreira que está implantada a freguesia de Ruivães, sendo que grande parte dos baldios da serra pertencem aos lugares de Espindo, Vila, Vale e Quintã, e Zebral. Os lugares das Honras tinham direitos de pastagem no Rebolar.
Dentro dos limites da freguesia na Serra da Cabreira destacamos:
Local onde existiam casas dos Serviços Florestais aquando da grande florestação da serra nas primeiras décadas do século XX. Actualmente essas casas foram reabilitadas pela A.C.E.R.G. – Associação de Equinos de Raça Garrana que tem ali a sua sede.
Ponto mais alto da serra (a 1262 metros) onde se situa um posto de vigia para os incêndios.
A freguesia de Ruivães fica defronte da Serra do Gerês sendo que o acesso ficou mais rápido depois da construção da Ponte dos Lagos em Frades. Existem direitos de pastagem na Serra do Gerês dos lugares de Frades, Vale e Vila.
     Via Romana XVII que ligava Bracara Augusta a Aqua Flavie (Braga a Chaves).


Todas as etiquetas (por ordem alfabética):


10 anos em linha
1363
1514
1678
1706
1748
1758
1796
1797
1800
1805
1809
1822
1825
1831
1832
1837
1845
1853
1865
1866
1873
1874
1875
1879
1880
1881
1883
1888
1911
1915
1916
1919
1925
1931
1943
1944
1948
1949
1950
1952
1954
1955
1957
1958
1959
1960
1961
1962
1964
1965
1966
1974
1980
1981
1982
1983
1984
1985
1986
1988
1989
1990
1991
1992
1993
1994
1996
1997
1998
1999
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
a arvore e o moinho
a rega
abel martins
abeleira
abelhas
aboboras
actualidade
agnes vieira
agostinho veras
aguardente
alambique
albuns fotograficos
aldeia velha da portela
alecrim
alexandra abreu esteves
alface
alfaias agricolas
alfazemas
alminhas
alojamento
alvoradas da cabreira
amadeu abreu
amadeu costa
amilcar soares
amora
ana cotta fraga
ana goncalves
ana miranda duarte
andorinhas
andre duarte
anibal pereira
antiguidades
antonio macedo
antonio machado
arco
arco (lugar)
armanda alves
arremates da agua
arremates de oferendas
arte rupestre
arvores
arvores de natal
as nossas férias
atletismo
autárquicas 2005
autárquicas 2009
autárquicas 2013
avenida de santo amaro
avenida s martinho
aves
azeitonas
azevinho
azulejos
bacelos
baldios
bancos da aninhas
banda musical de parafita
bandeira de ruivães
bandeiras nacionais
barca de frades
barragem
bento canela
bento da cruz
bicicletas
bola de carne
bombeiros
borboleta
botica
bruno antunes
bruno carvalho
bruno costa
bruno reis
bugalhos
cabaças
cabanas de pastor
cabras
caça e pesca
caes
calcada da lomba
camara municipal
caminhadas
caminhos
campanários
campo de futebol
cancelas portas e portões
candeias
cantar dos reis
capela da roca
capelas
capitão-mor
carla silva
carlos costa
carlos ferreira
carlos fraga
carlos marques
carlos melo
carlos ribeiro
carquejas
carros de bois
carta de foral
carvalhos
casa de cantoneiros
casas da floresta
cascata do caldeirão
castanhas
castelo
catia costa
cebola do monte
cemitérios
central de frades
centro social interparoquial
cerejas
chabouco
chamado
choteiros (ou cogumelos)
clara canela
claudia ferreira
colmeias
combate de ruivães
comércios
contributos
coretos
corografia portuguesa 1706
correio assistente
cortico
couves
cruzeiro da botica
cruzeiro de santo amaro
cruzeiros
da ponte velha ao saltadouro
david machado
de zebral a ponte de ruivaes
decreto 1853
desfolhada
desportos
devesa
dia dos atrancamentos
ditos populares
diversos
domingo gordo
domingos alves
domingos ferreira
domingos fraga
duarte toscano
dulce pinto
eira do grilo
eiras
eleições autárquicas
eleições europeias
eleições legislativas
eleições presidenciais
en 103
encosta do rejoeiro
entrudo
entrudo 1992
entrudo 1994
entrudo 2005
entrudo 2009
entrudo 2010
entrudo 2011
entrudo 2012
entrudo 2013
entrudo 2014
entrudo 2015
entrudo 2016
enxertos
epígrafes
ermelinda silva
ervas aromáticas ou medicinais
escolas
escritores ruivanenses
escusa merendas
escuteiros de silvares
espigueiros (canastros)
espindo
esquilos
estrada do toco
estradão florestal
eucaliptos
europeias 2014
eventos
fadiga de investimentos
fatima fraga
fatima oliveira
fatima sokolowski
feijao
feira mensal
feira tradicional
feno
fentos
fernando araujo silva
fernando guimaraes
festas 1957
festas 1962
festas 1966
festas 1982
festas 1983
festas 1984
festas 1989
festas 1990
festas 1999
festas 2002
festas 2003
festas 2004
festas 2005
festas 2006
festas 2007
festas 2008
festas 2009
festas 2010
festas 2011
festas 2012
festas 2013
festas 2014
festas 2015
festas 2016
festas 2017
festas de ruivaes cartaz
filipe sousa
flores
foice
fojo da alagoa
fojos do lobo
fontanários
fonte de ruivães
forno
fotos aereas
fotos animadas
fotos antigas
fotos nocturnas
fotos panoramicas
fotos pb
frades
fruta
fumeiro
gado
galinhas
gansos
garranos
gastronomia
gatos
genny merck
gentes
giestas
glicinias
gps
gravuras da mua
grupo concertinas da botica
grupo coral de ruivães
guarda fiscal
guilherme gonçalves
gustavo fernandes
henrique boulhosa
hernani gouveia
história
hortas
humberto ribeiro
igreja paroquial
ilda fraga
instagram
invasões francesas
isabel fraga
isabel martins
jardim infantil
jeremias azevedo
jessica melo
joao pigotao
joao silva
jonas alves
jorge dias
jorge valente
jornais
José carvalho de moura
josé costa
jose fernandes
josé pereira
jose ribeiro
jose ribeiro da nova
jose silva antonio
julio neto
junta de freguesia
karine fernandes
katia fraga
kiwis
la
lagar de azeite
lage dos cantinhos
lampreia
landras
lareiras
largo da vila
largo de espadanedo
largo de santo amaro
largo do arco
largo do cruzeiro da botica
largo do pelourinho
largo do rodeiro
legislativas 2009
legislativas 2011
legislativas 2015
lembranças
levadas de agua
libelinha
linha do cavado
lisete ribeiro
livros
lobo
lua
luis marques
maceira
malha
mamoa
manuel afonso esteves
manuel azeitono
manuel canela
manuel fraga
manuel joaquim barros
manuel miranda
manuel vieira
manuela cabugeira
mapas
maria fraga
maria leonilde ferreira
maria patunga
maria pereira
mario antunes
mario cunha
mario joaquim baia soares
mariolas
marmelada
martinho dias
matança de porco
meaes
meães
medronhos
meia
mel
melro
memórias paroquiais 1758
miguel antunes
miguel duarte
miguel neto
milho
minerio
mini hidrica
moinhos
moinhos do abel
monumentos
motos
muros
museus
nair afonso
natal
natal 2001
natal 2004
natal 2005
natal 2006
natal 2007
natal 2008
natal 2009
natal 2010
natal 2011
natal 2012
natal 2013
natal 2014
natal 2015
natal 2016
neve
novais
nuno goncalves
nuno miguel barbosa
o mutilado de ruivães
osga
ouriço-cacheiro
outros olhares
ovelhas
paintball
pão
paradinha
pardinho
pardinho 2007
pardinho 2008
pardinho 2009
pardinho 2010
pardinho 2011
pardinho 2012
pardinho 2013
pardinho 2014
pardinho 2015
pardinho 2016
pardinho avisos
parque de lazer do traves
parques eolicos
parques eólicos
pascoa
pascoa 2005
pascoa 2006
pascoa 2007
pascoa 2008
pascoa 2009
pascoa 2010
pascoa 2011
pascoa 2012
pascoa 2013
pascoa 2014
pascoa 2015
pascoa 2016
pascoa 2017
passada de uma caminhada
passagem das rez
passaros
patos
patricia malainho
patrimonio arqueologico e arquitectonico
paula alves
paula sousa
paulo cunha
paulo diogo
paulo miranda
pedro araujo
pedro miranda
pedro silva
peixes
pelourinho
peneda
penedo do sino
percevejo
percursos
percursos pedestres
pessegos
pias
picota
pinhas
pinturas
pipos
poço negro
poda
polo interpretativo de espindo
ponte
ponte da misarela
ponte da mua
ponte da rês
ponte de ruivães (grande)
ponte de ruivães (pequena)
ponte de ruivães (velha)
ponte de zebral (nova)
ponte de zebral (velha)
ponte do caldeirão
ponte do meio
ponte do poldro
ponte do saltadouro (nova)
ponte do saltadouro (velha)
ponte dos lagos
pontilhoes
portela
portela de paredes
posto de corte
posto medico
posturas municipais
potes de ferro
prensas
presa
presidenciais 2006
presidenciais 2011
presidenciais 2016
presunto
quem no tem praia banha-se com rio
quintã
rally de portugal
rally de portugal 2015
rally de portugal 2016
ramadas
rancho de vale
rancho folclórico da corredoura
raposas
rebordondo
recordações de um verão antigo
recordações de um verão passado
recortes jv
regador
relogio de sol
requalificacao do traves
ribeiro do toco
ribeiros
rio cavado
rio de vale
rio rabagão
rio saltadouro
roca
rola
rosaria garufi
roupa na corda
rua calcada da vila
rua da alegria
rua da calcada
rua da capela
rua da capela de sao pedro
rua da carreira
rua da corneda
rua da costa
rua da devesa
rua da estrada velha
rua da fonte da picota
rua da lameira da botica
rua da palusquinha
rua da picota
rua da ponte da misarela
rua da ponte de pedra
rua da portela
rua da portela de paredes
rua da procissao
rua da quinta
rua da quintela
rua da raposeira
rua da roca
rua da serradela
rua da sobreira
rua da terra grande
rua da torrente
rua da veiga do cabo
rua da venda
rua das achas
rua das casulas
rua das cruzes
rua das curtinhas
rua das lajes
rua de alem
rua de confunco
rua de eira
rua de entre cortes
rua de espadanedo
rua de miães
rua de mina
rua de parada
rua de pena redonda
rua de pomarelhos
rua de s. cristovao
rua de santo amaro
rua de valinhos
rua do arco
rua do balugota
rua do bem estar
rua do capitao mor
rua do carvalhal
rua do castanheiro da roda
rua do chamado
rua do cruzeiro da botica
rua do fragoso
rua do lugar
rua do marco da gandara
rua do miradouro
rua do outeirinho
rua do outeiro das cruzes
rua do outeiro do meio
rua do pelourinho
rua do pinhal de santo amaro
rua do pinheiro
rua do poco das traves
rua do saltadouro
rua do toco
rua do vale da grade
rua dos moinhos da ponte
rua dos muros
rua moinho do clara
rua nossa senhora do amparo
rui miranda
ruivanenses pelo mundo
s martinho
s. cristóvão
s. pedro
s. pedro (nova)
sabrina costa
saltadouro
santa leocadia
santo amaro
sapos
serra da cabreira
serra da maca
serra do gerês
serradela
silvia perdiz
silvina azevedo
sobre nós
sobreiros
sol
sonia carvalho
soutelos
srª da conceicao
srª da saude
srª da saude (velha)
srª do amparo
srª dos remedios
stª isabel
subestação de frades
sueca
susana esteves
sylvia da costa
talefe
tania santos
tanques
telhados
teresa campos
tiago pereira
tina peralta
toco
tojeira
toponimia
tosquia
tradições
traves
travessa da calcada da lomba
travessa da fonte de frades
travessa da lameira
travessa da portela
travessa da quinta
travessa da serradela
travessa das lajes
travessa do chamado
travessa do outeirinho
travessa do outeiro das cruzes
travessa do pelourinho
travessa do requeixo
travessa nossa senhora do amparo
travessa poça do chamil
trilhos de espindo
truco
turio
ulisses pereira
um retrato negro de verao
um rio bem a-gosto
utensílios de trabalho
valdemar antunes
vale
valeria bras da costa
varandas e janelas
velharias
venda nova III
via romana
victor alves
videiras
videos
vieira fernando
vila
vindimas
vitor campos
vitor marques
volta a portugal em bicicleta
ze do rijo
zé do telhado
zebral


4 Agosto 2016;
12 Setembro 2016 - alteração do texto inicial de contextualização;
16 Fevereiro 2017 - alteração do texto inicial de contextualização e texto sobre o "Traves";
16 Maio 2017 - alteração do texto inicial e inclusão das 739 etiquetas.



Comentários