2010-01-13

Portugal exportou mais energia para Espanha do que aquela que importou durante o mês de Dezembro passado, graças às barragens e aos parques eólicos, afirmou o Primeiro-Ministro no lançamento da primeira pedra da nova central hidroeléctrica Venda Nova III, em Vieira do Minho. «Na última semana do ano passado, 75% da energia produzida em Portugal teve como origem a água e o vento», referiu José Sócrates, ilustrando a profunda mudança que está a ocorrer no sector da energia em Portugal, que se deveu a uma escolha política clara de investimento nas energias renováveis e diminuição da dependência do petróleo.

«Esta escolha deve estar também no coração da estratégia do País para combater a crise e para recuperar», sublinhou o PM, afirmando que não há nada de que se orgulhe mais do que dizer que «o essencial do investimento público dá mais emprego aos portugueses». Este investimento público, concentra-se na construção de novas escolas, novos hospitais e barragens: «é por aqui que passa a modernização do País».

O Chefe do Governo sublinhou que a construção de duas barragens e o reforço de potência de mais quatro que a EDP tem em curso são investimentos que nunca ocorreram em simultâneo no passado. «Precisamos de rapidez na construção destas barragens porque há muitas empresas à espera», e precisamos de «recuperar o atraso em termos de aproveitamento de recursos hídricos».

A central hidroeléctrica Venda Nova III da EDP, é uma instalação subterrânea que tira partido das albufeiras criadas pelas barragens de Venda Nova e Salamonde, implicando um investimento de cerca de 349 milhões de euros, e deverá estar concluída no final do primeiro semestre de 2015. O reforço de potência de Venda Nova III é um dos seis reforços de potência de barragens que a EDP tem em estudo ou construção, estando ainda prevista a construção de mais cinco novas hídricas até 2015.


Notícia e fotografias retiradas do site "Portal do Governo"
(http://www.portugal.gov.pt/pt/GC18/PrimeiroMinistro/Noticias/Pages/20100113_PM_Not_Barragem.aspx)







(cerregar na fotografia para aumentar)

Boa tarde,
Esta foto foi tirada ao largo de Santo Amaro dia 10 de Janeiro 2010.

Cláudia Ferreira



Comentários:
«Muito obrigado pelas fotos espectaculares,



O meu pai (Domingos de Santo Amaro) já me tinha dito que nessa altura não pode ir a Ruivães porque a estrada estava cheia de neve, mas eu nunca pensei que estava assim tão espectacular. Se soubesse que esteve assim, ia nem que fosse de patins.


Mais uma vez os meus parabéns pelo vosso trabalho. O meu pai até começou a ter mais interesse em aprender a mexer no computador depois de o informar que existia um blog que falava sobre a terra. O amor à terra faz maravilhas.


Um forte abraço.





António Ferreira»



Fotografia cedida por Manuel Miranda



Fotografia cedida por Manuel Miranda.








(carregar nas imagens para aumentar)




Câmara quer contrapartidas pelas barragens
Está previsto para hoje lançamentodo reforço da potência na central hidroeléctrica de Frades
2010-01-13
EMÍLIA MONTEIRO

O início das obras de reforço da potência na nova central hidroeléctrica Venda Nova III, em Vieira do Minho, relança a discussão sobre os apoios que a EDP dá às localidades onde constrói as barragens. Autarcas locais querem contrapartidas.

"O município de Vieira do Minho tem de receber mais contrapartidas da EDP do que aquelas que actualmente recebe", disse, ao JN, Jorge Dantas, presidente da Câmara Municipal.

Depois do adiamento por causa da neve, anteontem, hoje de manhã será lançada a primeira pedra para o reforço da potência na central hidroeléctrica Venda Nova III, na central de Frades, em Ruivães. Vieira da Silva, o ministro da Economia, e António Mexia, presidente do Conselho de Administração da EDP, vão formalmente iniciar uma obra de 350 milhões de euros que aumentará a potência da central existente e deverá começar a produzir energia para a rede em finais de 2015. Ainda que não confirmado, é ainda esperada a presença do primeiro-ministro, José Sócrates.

"É uma grande obra, tal como outras que a EDP já tem no concelho de Vieira do Minho, mas a população tem de começar a receber benefícios por viver num município que tem quatro albufeiras, diversas estruturas da EDP e um parque eólico", frisou Jorge Dantas.

O presidente da Câmara afirma que já enviou uma carta ao director da EDP/Norte a pedir uma reunião "urgente". A intenção da Autarquia é criar uma parceria permanente com a EDP para a realização de projectos a médio e longo prazos.

"É da maior justiça que, em freguesias como Ruivães e Salamonde, que têm muitas infra-estruturas da empresa de electricidade, recebam patrocínios para obras como a construção da sede da Junta de Freguesia ou arranjos urbanísticos em praças públicas", salientou Jorge Dantas.

Também Jorge Vilaça Azevedo, presidente da Junta de Freguesia de Ruivães, acredita que a EDP pode ser parceira no desenvolvimento local. "Estamos a 50 quilómetros de Braga, mas só temos 990 eleitores, porque a maior parte do terreno da freguesia está ocupado por água das barragens da EDP ou por obras da empresa", disse.

Crescimento

Durante a obra, as freguesias de Ruivães e Salamonde deverão viver um período de crescimento no comércio e na restauração local, devido ao número de trabalhadores que vão afluir para aquela região. Entre os cerca de 300 trabalhadores, os autarcas acreditam que alguns serão de Vieira do Minho, contribuindo assim para a redução do desemprego.

A nova unidade será constituída por uma central subterrânea em caverna, um circuito hidráulico em túnel e diversos poços e túneis auxiliares de acesso. A central será equipada com dois geradores reversíveis com uma potência total de 736 MW.

Com a construção do túnel, os inertes retirados do local serão depositados em Salamonde (a oito quilómetros da obra) num espaço que será depois arborizado.























Imagens recolhidas ao final da manhã quando começou a nevar com alguma intensidade, facto que provocou algum embaraço aos automobilistas que circulavam na estrada.


Comentários:
«QUERO DAR OS PARABÉNS, A ESSA EQUIPE QUE MUITO BEM MOSTROU A MINHA TERRINHA ONDE NASCI, E VIVI ATÉ VIR PARA O BRAZIL! ADOREI A PAISAGEM, VER A NEVE AO FIM DE TANTOS ANOS!! E NÃO SÓ, VER TAMBEM VÁRIOS LUGARES CONHECIDOS, É MARAVILHOSO E QUE SAUDADE! ABRAÇOS LISETE..................BRAZIL...........CORAÇÃO EM PORTUGAL.»