«Incongruência de um filho»


 



«No Ruivães da minha infância (décadas de quarenta/cinquenta do século passado), o respeito pelos mais velhos e mais ainda pe­los pais e avós, era tão rigoroso que qualquer deslize dava direito a um tabefe.

Longe de mim tratar meu pai (ou o meu avô) por “tu”, co­mo hoje é usual. Nes­­se tempo, logo que via o meu progenitor pedia-lhe; « -Deite-me a sua benção, meu pai! », e na mão estendida depositava o beijo de respeito.
Ao meu avô (que na realidade foi quem me criou por ausência de meu pai) chamava “paisinho”, o que dava o direito de o poder tratar como se de facto fosse meu pai.
Por tu­do isto me doi, quando vejo nos noticiários que um filho bateu ao pai, à mãe, aos avós, aos professores, e pior que isso quando a agressão leva ao cúmolo de assassinato.
Para divagar um pouco sobre esta matéria, vou contar um caso “destopério” de um filho para com os seus pais.
Queridos Pai e Mãe: Faz três meses que estou na Universidade, e demorei muito tempo a escrever-vos, mas agora vou colocar as noticias em dia. Antes de continuar, por favor sentem-se, que é doloroso o que vos vou contar.
Agora já estou melhor, mas tive uma fratura e trau­matismo craniano por ter saltado da janela do meu quarto em chamas. Passei duas semanas no hospital, a minha visão está quase normal e as terriveis dores de cabeça só uma vez por semana me incomodam. Como o incêndio foi causado por um descuido meu, tenho de pagar â Universidade 5.000 euros por danos causados, mas isso não é nada, o que importa é que estou vivo.
Co­mo fiquei sem onde poder dormir, conheci uma serviçal no hospital que me convidou a ir morar em casa dela. É um quarto num sotão, mas acolhedor, e ela trata muito bem de mim. Tem o dobro da minha idade, mas isso não impediu de nos apaixonarmos, e até queremos casar, o que vamos fazer antes de acabar a gravidês dela.
Pois é, queridos pais, vou ser papá, e como vocês sempre falaram que gostariam de um dia serem avós, calhou mesmo bem, pois são trigémios! Só não casamos ainda, porque a minha noiva foi infetada com o Co­vid 19 no hospital, e co­mo me pegou a mim, es­ta­mos à espera que passe. Esta­mos a pensar ir viver con­vosco, e sei que vão aceitar a minha noiva, apesar de ela praticar outra religião e… ser deficiente!
Ago­ra que já sabem tudo, quero informá-los que não ocorreu nenhum incêndio, não tive qualquer trau­matismo nem fui ao hospital, não tenho noiva nem filhos para nascer. A verdade é que tirei 0 a Física, 2 a Matemática, 1 a Biologia, e quis mostrar-vos que existem coisas bem piores na vida que notas baixas. Um beijo de vosso filho que vos ama muito.
Manuel Joaquim F. Barros
2021-01-14»

Comentários