«Os Caretos do Entrudo»


No Domingo Gordo e dia de Carnaval a que nós chamamos simplesmente Entrudo, rapazes, raparigas, homens, mulheres e crianças todos saem para a rua mascarados, com a cara tapada, com roupas velhas ou novas a disfarçar, o mais possível, para ninguém conhecer as pessoas. Os homens vestem de mulheres e estas de homens. Uns vão de bonitos, outros de velho e feios.
(…)
Os rapazes atiram bombas de estourar e rabear às pernas das moças novas.
Os caretos trajam com croças de palha, chapéus velhos, rotos, peles caseiras de cabra, odres de farinha, mantas velhas, etc. Vestem-se de soldados, frazem-se aleijados, coxos, cegos, burssos, mudos. Levam paus para se defenderem de atrevidos, que os rodeiam para tentar saber quem são. Formam-se barulhos grandes, em várias aldeias, com estes motivos. Os que levam paus batem nas pessoas, nas crianças, que fogem dos caretos como os lobos da luz. Embora ninguém deva levar a mal estas coisas, nem sempre se evitam certos dissabores nestes dias.
(…)


Retirado do livro “Etnografia Transmontana - Crenças e Tradições de Barroso”, de António Lourenço Fontes.

Para ver mais excertos deste livro referidas nesta página, carregar aqui e aqui.

Comentários