«Vindima da Casa do Brás»





O tempo quente e seco que se fez sentir este ano, le­vou a uma antecipação das vindimas em cerca de duas semanas. A partir da segunda semana de outubro é, por norma, a altura das vindimas em Espindo, no entanto, este ano a safra foi antecipada devido às altas temperaturas e baixa humi­da­de que se fizeram sentir.
Na data prevista para a vin­dima, 4 de Outubro, o S. Pe­dro rodou as chaves e eis que se abateu uma valente tempestade no concelho de Vieira do Minho na noite de 3 para 4. Porém, os meus familiares que estavam a passar uns dias de férias na aldeia, ao aperceberem-se deste fenómeno climaté­ri­co, anteciparam a colheita, o que foi determi­nante para que as uvas fossem salvas.
Como sempre, a vindima foi feita “à moda antiga”, mo­vida a energia humana, quer na colheita, quer na pisa, que este ano, motivada pela pan­demia, foi muito restrita apenas a familiares próximos.
Durante o dia 3 apanhou-se a uva e encheram-se os cestos, que foram transportados para o lagar.
No dia seguinte, após um longo, saboroso e nutritivo almoço, embalado por bom vinho e boa disposição, foi tempo de pisar as uvas com grande determinação.
A vindima da Casa do Brás na sua edição do ano de 2020, foi mais um momento de emoções fortes que a re­cria­ção desta tradição comunitária deixará na memória coletiva da Aldeia.
Um grande agradecimento ao meu cunhado Albino, irmã Albina, sobrinhos Jorge, Ro­meu, Albina e Ana Sofia que vieram suar e celebrar comigo e com a Pal­mira mais um ano de abundância. Com as suas preciosas ajudas, iremos produzir mais um vinho único, cu­jo aroma e paladar co­nhe­ceremos daqui a uns tempos!
Guilherme Gonçalves (Casa do Brás – Espindo)
2020-10-28

Comentários