“Ruivanês”!

 


“Ruivanês”!

           

Tenho o pressentimento de que quanto mais avanço na idade, mais me vem à lembrança a minha infância, toda ela vivida em Rui­vães, e o meu coração trans­borda com essa evocação.
Um dia parti, ainda ra­pazinho, trocando a vida de aldeia pela grande urbe, e muito me custou adaptar nalguns aspectos, sendo o mais dificil o sotaque tipicamente minhoto que era mo­ti­vo de chacota.


Carregava nos “esses”, tro­­cava os “vês” pelos “bês”, tudo que envolvia o “che” era bem carregado.
Os anos passaram, e aos poucos acabei por me integrar linguisticamente, tal co­mo noutras situações.
Agora, vem-me à lembrança a linguagem com que aprendi a falar em Rui­vães, e nem mesmo ao frequentar a escola se como é natural corrigi muita coisa, o sotaque permaneceu e acompanhou-me por muitos anos.
Era de facto uma linguagem estranha, e se hoje se empregassem a maioria des­ses termos, estas últimas gerações não perceberiam patavina.
Pena é, que nenhuma en­ti­dade tenha tido o cuidado de elaborar um registo desse pseudo dialeto, tal como do cancioneiro, de usos e costumes e outros elementos identificativos de uma região e de um povo, e assim se perde um patrimonio histórico e moral que devia ser preservado.
Essas falas, estou em crer que em parte se devem à proximidade da Galicia, porque alguns sinonimos e terminologias de palavras, são comuns ao galego. Prova disso, numa das minhas idas à Galicia, levei um ras­panete em Orense quan­­do me expressei em caste­lha­no (que domino bem) e o su­geito ao topar que eu era por­tuguês, disse-me meio ofendido em “portugalego”:
- Amigo; aqui na Galicia se é português fale em por­tu­guês! Entendemo-lo melhor do que em castelhano.
Aprendi a lição, e vejamos alguns exemplos de ori­gem galega que em Rui­vães empregavamos; “Ca­chi­­­cha” (porcaria), “chi­cha” (car­­ne), “guicho” (esperto), “tri­­lhar” (magoar), “quilhar” (tra­mar), “assistar” (saltar, do tipo «uma fulme­ga as­sis­tou-me para o olho»)”. Mais ain­da, “es­ca­bichar” (raspar), “es­car­rachar” (abrir as per­­nas com uma que­da), “pin­char” (saltar), “espichar” (sal­­picar”), “ati­lho” (fio), “en­ga­ranhar” (mãos parali­za­­das pelo frio), “esbugalhar” (ar­­regalar os olhos), “car­ra­nha” e “moncos” (ranho), etc.
Outras palavras eram pro­nunciadas que hoje não se utilizam, como “cisco” (im­pureza na vista), “bulha” (confronto de porrada), “be­gueiro” (burro), “esga­çar” (es­forçar), “arremedar” (imitar gozando), etc.
A estas expressões e terminologia de fala na nossa vila, porque não considerá-las um dialeto local a que por exemplo poderiamos chamar “ruivanês”.
E termino com uma expressão 100% espanhola, mas que muito se utilizava em Ruivães no meu tempo. - “Canté!...” (Oxalá!...)
Manuel Joaquim F. Barros
2021-01-29


Comentários