terça-feira, 1 de maio de 2018

Rebolar






« (…)
Durante o Verão, as freguesias de Villar da Veiga, parte de Ruivães e Cabril, apascentam os gados na serra do Gerez; - as de S. João da Cova, Ventosa, Caniçada, Louredo e Salamonde na serra da Cabreira, assim como os logares de Espindo e Zebral; - Soutelos, Santa Leocadia e Botica na serra do Rebolar (prolongamento da Cabreira), tendo por consócios n’essa pastagem Campos e Lamalonga (S. Vicente de Campos); estes, todos os annos no 1º domingo de maio, reunidos no sitio do Foral do Carvalhal de Santo António de Lamalonga, elegem um pastor, chamado Vaqueiro, que dá um fiador para garantia do gado que recebe e que pastoreia no Rebolar nos meses de maio, junho, julho e agosto até 20 de setembro, recebendo por cada cabeça meia raza de centeio ou milho grosso e carne de porco; - as freguesias de Barroso apascentam na serra que se estende de Sidrós ao Larouco, mas as de Parada d’Outeiro, Paradella e Pitões também no Gerez, e a ultima tem no verão a Mourella, onde deitam as vacas com crias; na serra do Gerez os gados descansam de noite em curraes, glebas cercadas de paredes que só produzem centeio; cada curral tem uma cabana, geralmente de forma redonda, para o pastor dormir e cozinhar.
Eis aqui, n’este rápido esboço, um cantão inteiro com uma economia rural bem differente da que domina no resto da provincia; se, como já dissemos, nas margens do Cávado a cultura tem bastante importância, em Barroso desce ao grau mais inferior; ahi o regime pastoril torna-se tão preponderante que sem exageros se pode dizer que a população vive sobretudo dos rebanhos, que n’hum largo período do anno se criam em montes ricos de pastagens e no uso collectivo dos visinhos.
(…)»



Texto retirado de "As villas do Norte de Portugal (III)", Alberto Sampaio, Revista de Guimarães, n.º 12, 1895, pp. 155-173. Fotografia de Fevereiro de 2012, tirada neste contexto

Nenhum comentário: