«Vieira desvaloriza Ruivães»





Esta afirmação, sem ferir sus­ceptibilidades, tem a sua ra­­zão de ser, até porque fe­re os sentimentos dos rui­va­nenses que não gostam de ver a sua terra me­nospreza­da nos seus valores históricos e de identidade, menos ainda por quem tem obrigação de os defender. 
Um exemplo disso foi um ar­tigo publicado no Jornal de Vi­eira, na edição de 1 de De­zembro de 2018 na última pá­­­gina e destacado a azul, em que se faz uma resenha da “História do concelho de Vi­eira do Minho”. 
Aí se faz referencia às fre­guesias que integram o Con­celho, onde se valoriza as que estão agraciadas com “Carta de Foral”, mas no que toca a Ruivães, lamentavelmente não mereceu o mesmo tratamento. 
È frequente isso acontecer, não sei se trata de igno­rância ou má vontade, mas neste caso a omissão de Rui­vães como também de­ten­tor de Carta de Foral é imper­doá­­vel, tão só porque a esta vila foi concedida a que é a mais antiga do Concelho.
Efectivamente, em 27 de Ju­­­lho de 1363, D. Pedro I (O justiceiro), atribuiu a “Vi­lar de Va­cas” (assim se cha­ma­va Rui­vães à época), a sua Car­ta de Foral, por se tra­tar de um dos mais im­por­tantes Concelhos do Rei­no. Mas is­so, pelos vistos é de somenos importância para quem faz a história do Concelho de Vieira do Minho. 
Tanto assim, que em 2013, fez seiscentos e cin­quen­ta anos da concessão des­sa hon­ra para a vila de Rui­­vães, data propícia a co­me­­morar, mas tanto a Câ­ma­­ra quanto a Junta de Fre­gue­sia deixaram passar em claro essa efeméride sem uma alusãosi­nha que fosse. 
Outro exemplo; quem for à in­ternet e clicar o site da Câ­­­mara Municipal de Vieira do Minho, quando se busca as suas freguesias, ao chegar a Ruivães aí se afirma le­­vianamente que « as primeiras referências a Rui­vães, datam de 1426». 
«Erro crasso, sonhos meus, amor ardente!» Co­mo é possível a Ruivães ser atri­buída a Carta de Foral no sé­­cu­lo catorze, e a sua Câ­ma­ra Municipal lhe atribuir pri­mei­­ras referências no século seguinte? 
E não só! Convido os se­nho­­­res da Câmara de Vieira do Minho, a na internet cli­ca­­­­rem “Vias Romanas”, de se­gui­da “XVII via”, e pode­rão cons­­­tatar que no principio da era Cristã (pelo menos há dois mil anos), como aí se re­fe­re, a 35 milhas de “Brá­cara Au­­gusta”, mais ou menos a distância actual de Bra­ga a Rui­­vães, se situava uma po­vo­ação denomi­na­da “Outeiro do Vale”, nas pro­xi­mida­des de outro po­voa­do de no­me “Outeiro de São Mar­tinho, no mon­te de São Cris­tóvão”. 
Presumivelmente, esta sim é a primeira referência ao que é hoje Ruivães! 
Dessa via que cruzava Rui­­­vães, ainda hoje se con­ser­­va uma extensa calçada ro­­ma­na, tal como um dos ex-li­­bris da vila são os vestí­gios arqueológicos da outra po­voa­­ção no sítio também ain­da conhecido por “São Cristóvão”. 
Assim, sonegar centenas (mi­lhares) de anos a Rui­vães é ingrato, e para quem ama aquela terra dói muito ver as­sim menosprezada a sua iden­­tidade, mais ainda por quem tem a obrigação de a defender. 
O menosprezo vai mais lon­­­­ge no que a mim diz res­pei­to, porque em tempos en­viei à Câmara de Vieira e ao cuidado da Presidência um extenso processo, docu­men­­ta­do com alguns dados aqui referidos e com­ple­me­ntados com fotos retiradas da net, pa­ra que pelo menos o site fos­­­se re­tificado, mas.. como resposta, apenas recebi o re­ci­­bo do aviso de re­cepção. 
È comum dizer-se que a pa­ternidade falha quando se tem muitos filhos, e daí re­­sul­ta que uns são tratados co­mo filhos da mãe, outros co­mo enteados. 
Mas apesar do meu lame­n­­to, acredito em quem ge­re o nos­so Município, e te­­nho es­­pe­rança que se acabe por “dar a César o que é de Cé­sar”. 
As minhas saudações a to­­­dos os ruivanenses, amem profundamente a vos­­sa terra que tem tanto de be­la quanto de histórica e importante.
Manuel Joaquim F. Barros
2019-02-13

Comentários