«Visita às obras de reforço de potência»


«O Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho, Engº António Cardoso visitou, as obras de reforço de potência das centrais hidroelétricas, Salamonde II e Venda Nova III.
Com esta visita, o autarca vieirense inteirou-se do andamento das obras destes dois grandes investimentos que irão beneficiar o concelho de Vieira do Minho. Após o final destas empreitadas o troço Cávado / Rabagão ficará responsável por 20% da produção Hidroeléctrica nacional.
De salientar que a nova central hidroelétrica de Salamonde II corresponde a um investimento total na ordem de 205 milhões de euros e aumentará a potência, em cinco vezes, face à central existente.
Este projeto deverá começar a produzir energia para a rede no 2º semestre de 2015.
Trata-se de um investimento que será constituído por uma central subterrânea em caverna, um circuito hidráulico em túnel e diversos poços e túneis auxiliares e de acesso. Quanto à central, será equipada com um grupo gerador revertível com uma potência nominal de 270 MW.
De salientar, ainda que o reforço de potência do aproveitamento hidroelétrico de Salamonde, designado por Salamonde II localiza-se no rio Cávado, Concelho de Vieira do Minho, e aproveita a queda de aproximadamente 118 metros disponibilizada entre as albufeiras de Salamonde e de Caniçada.

No que diz respeito à nova central hidroelétrica de Venda Nova III, a obra corresponde a um investimento de cerca de 320 milhões de euros. A nova central aumentará significativamente a potência da central existente e deverá começar a produzir energia para a rede em 2015.
Esta unidade será constituída por uma central subterrânea em caverna, um circuito hidráulico em túnel e diversos poços e túneis auxiliares e de acesso. A central será equipada com dois grupos geradores reversíveis com uma potência total de 746MW que serão alimentados pelo novo circuito hidráulico com capacidade para um caudal de 200 m3/s . A potência instalada de 746 megawatts, constitui uma reserva operacional para os picos de consumo ou para eventuais perdas inesperadas de produção, térmico ou eólico.
De salientar que as novas centrais hidroelétricas possuem cerca de 18 Km em túneis, onde trabalham 850 operários e 271 empresas.
Para além da visita às obras de construção das novas centrais hidroelétricas, o momento serviu, ainda, para juntar à mesma mesa o executivo vieirense e a administração da EDP, a fim de tratar assuntos de interesse para o concelho de Vieira do Minho.»










(carregar nas fotografias para aumentar)




Comentários

Anónimo disse…
Bela reportagem sobre o andamento desta obra tão importante para todos nós.
Um investimento desta magnitude é necessariamente uma mais-valia para Ruivães, para a região e, inclusive, para o país.
Ruivanense Adoptivo